Leo de Brito se reúne com lideranças indígenas do Acre para discutir políticas públicas

O Acre é um dos poucos estados do Brasil em que quase 100% das terras indígenas estão demarcadas, uma forma que o governo do Estado encontrou de garantir os direitos dessas populações. O estado tem 34 terras, entre as quais estão distribuídos povos de 15 etnias. Além da regularização fundiária, o apoio à produção, educação, cultura e saúde também representam um grande avanço para essas comunidades, que mesmo com o amparo do governo estadual ainda anseiam por mais melhorias.

Em busca de parceria e apoio, representantes dos povos Kulina, Huni Kui, Yawanawa, Ashaninka, Jaminawa, Manchinery e Nawa reuniram-se com o presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC), da Câmara Federal, o deputado federal Leo de Brito, nesta segunda-feira, 20, em Brasília.

A polêmica Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215/2000, que transfere a responsabilidade de demarcação de terras indígenas do poder executivo para o legislativo, foi um dos assuntos abordados durante o encontro. Os indígenas buscam apoio da bancada federal para não aprovar a proposta.

“Apesar de termos a maior parte das terras indígenas do Acre demarcadas, nós não podemos deixar essa proposta avançar porque ainda temos muito a fazer. Estamos muito felizes em saber que o Leo é contra essa proposta absurda”, ressaltou presidente da Federação do Povo Huni Kui do Acre, Ninawa Huni Kui.

Protagonista na luta pela manutenção dos direitos indígenas, Leo de Brito ressalta seu compromisso com a causa. “Meu mandato tem um compromisso incondicional com a pauta indígena. Já no primeiro ano atuamos fortemente nesse sentido, atuando contra a PEC 215 na Comissão Especial, no fortalecimento das ações nas áreas da educação, saúde e cultura indígena. Agora como presidente da CFFC inovamos com a criação da subcomissão da saúde indígena”, disse.