Leo de Brito é eleito vice-presidente da CPI dos crimes cibernéticos

Membro de 17 comissões de grande relevância na Câmara Federal, o deputado federal Leo de Brito assumiu mais um desafio nesta terça-feira (11). Ele foi eleito 1º vice-presidente daComissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a investigar a prática de crimes cibernéticos e seus efeitos na economia e sociedade brasileira. A deputada Mariana Carvalho (PT-RO) vai presidir a CPI e indicou como relator o deputado Esperidião Amin (PR-SC).

A Polícia Federal realizou em 2014 uma operação para desarticular uma quadrilha suspeita de desviar pela Internet mais de R$ 2 milhões de correntistas de vários bancos. Parte do dinheiro desviado era utilizada para compra de armas e drogas.

De acordo com o último relatório da Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, houve um crescimento, entre 2013 e 2014, de 192,93% nas denúncias envolvendo páginas na Internet suspeitas de tráfico de pessoas. Além disso, o relatório apontou gastos de US$ 15,3 bilhões com crimes cibernéticos no Brasil em 2010. Porém, além dos crimes financeiros, a CPI também vai investigar pedofilia, tráfico de pessoas e invasão de privacidade.

“Tenho confiança de que nossos trabalhos serão muito frutíferos. O Brasil tem avançado cada vez mais, tanto do ponto de vista do acesso à internet nas residências, quanto em relação aos programas que se utilizam de plataformas públicas. E é obvio que o mundo virtual é na verdade o mundo real, onde os crimes também acontecem. Daí a importância desta CPI”, afirmou Leo de Brito.

O parlamentar também aproveitou a fala para cumprimentar o líder do seu partido, deputado Sibá Machado, pela proposição da CPI.

 

Debatendo o tema no Acre

Em sua última vinda ao Acre, Leo de Brito se reuniu na segunda-feira (10) com diversos setores da segurança pública do estado para discutir o tema relacionado aos crimes cibernéticos, ouvir sugestões e se colocar à disposição da área. O secretário de segurança pública Emylson Farias destacou a importância da iniciativa do parlamentar.

“Eu acho que estamos discutindo aqui temas de interesse nacional. Então trazer para discutir com a segurança tais temas é muito importante para que a gente possa, por exemplo, fomentar a criação de um projeto de lei, aprimorando as situações de auditoria. É um assunto complexo, em que as próprias instituições de segurança pública têm dificuldade de atuar em razão do ambiente, tudo é muito novo”, explica Farias.

Assessoria Leo de Brito