Em entrevista, deputado fala sobre reforma da previdência e conjuntura política

Em passagem pelo Vale do Juruá, o Deputado Leo de Brito (PT) concedeu uma entrevista exclusiva ao Juruá em Tempo. O deputado tem realizado uma intensa agenda dentro do Estado, onde busca informar a população acreana os efeitos negativos que a PEC 287 (Reforma da Previdência) causará a sociedade. Léo também falou sobre a respeitosa relação com o atual Prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PMDB) e sobre seu futuro político para 2018.

Juruá em Tempo: Deputado Léo de Brito, porque o senhor é contra a reforma da previdência?

Leo de Brito: Primeiro porque é uma reforma que é proposta por um governo ilegítimo que assumiu a presidência do País após um golpe parlamentar. Essa proposta sequer foi debatida nas eleições de 2014. Segundo, que é uma proposta baseada em informações desencontradas, informações falsas, que trabalham a ideia de um déficit que não existe. Falta transparência nas informações que o governo vem apresentando. O número de trabalhadores que estão na informalidade (fora do regime da previdência) gira em torno de 25 milhões, a tendência é que com o endurecimento dessas regras a maioria da população brasileira fique sem acesso à aposentadoria.

“Eles fazem propagandas milionárias nos canais de televisão para tentar enganar o povo e convencê-los a abrir mão de seus direitos.”

Tentam comparar a situação do Brasil com a de outros países, desconsideram as desigualdades existentes entre as regiões do País, entre mulheres e homens, trabalhadores rurais e trabalhadores urbanos, colocando todo mundo no mesmo saco de uma idade mínima de 65 anos e 49 anos de contribuição.
Todas essas situações geram inúmeras injustiças.

JT: Sobre o cenário nacional, qual a avaliação o Deputado faz desse atual momento político do País?

Leo de Brito: Com toda certeza estamos passando por um momento de muita preocupação e que causa perplexidade. Praticamente todo governo de Michel Temer está envolvido na Operação Lava-Jato e outros estão sendo investigados por conta de crimes de corrupção. Prometeram salvar a economia do país e os resultados que estamos vendo é totalmente o inverso. O resultado desse golpe e da instabilidade política criada após a eleição de 2014, fez com que o Brasil decrescesse no seu crescimento em 3,8% em 2015 e 3,6% em 2016. Temos um governo totalmente sem credibilidade no cenário internacional e que está destruindo as empresas nacionais, colocando toda essa conta nas costas da classe trabalhadora.Entendemos que a única saída para sair dessa crise é uma nova eleição.

“Vagner Sales foi condenado pela justiça por pratica de corrupção, sem falar das inúmeras denuncias, inclusive por mal utilização de recursos de emendas parlamentares”

JT: O deputado foi recebido pelo Prefeito Ilderlei Cordeiro. Está mais fácil manter essa relação com Ilderlei do que era com o Prefeito Vagner Sales?

Leo de Brito: Primeiramente eu apoiei a Carla para prefeita, não conseguimos vencer a eleição, agora nosso dever é descer do palanque e pensar no povo, por isso, encaminhei essa emenda de 300 mil, destinada a compra de medicamentos para os postos de saúde de Cruzeiro do Sul. Essa é uma política que tenho feito durante o meu mandato, de não discriminar prefeituras que são administradas por outros partidos. Sabemos que o Ilderlei está iniciando recentemente seu trabalho, e até hoje não tenho conhecimento de nenhuma prática de corrupção por ele, ao contrário do anterior (Vagner Sales) que foi condenado pela justiça por prática de corrupção, sem falar das inúmeras denúncias, inclusive por má utilização de recursos de emendas parlamentares. Não tenho nenhum problema de apoiar prefeitos de outros partidos, agora prefeitos que tenham indícios por pratica de corrupção, esses não irei apoiar em hipótese alguma. Meu dever é fiscalizar cada centavo encaminhado, pois a população quer que esses recursos sejam aplicados com responsabilidade e competência.

JT: E com relação ao seu futuro político? Será candidato novamente?

Leo de Brito: Eu entendo que na política a questão de uma candidatura, principalmente quando você está com um mandato, é consequência do trabalho que se faz. O meu foco nesse momento é trabalhar pelo meu povo, graças à Deus é um trabalho intenso, temos uma boa presença tanto lá na câmara como nas bases, andando pelos municípios e encaminhando emendas para todas as prefeituras. Nesses dois primeiros anos tive oportunidades de ocupar espaços importantes como o Conselho de Ética na câmara onde votamos pela cassação do ex-deputado Eduardo Cunha, a CPI da Petrobras e no ano passado tive o prazer de presidir umas das principais comissões: a de fiscalização financeira, e este ano estou assumindo a vice liderança do Partido dos Trabalhadores. Somente após um processo de trabalho como este, iremos definir a busca da reeleição.

JT: Sobre a BR-364, qual a sua avaliação sobre os atuais problemas que vêm ocorrendo?

Leo de Brito: Estou muito preocupado com a forma com que o governo federal está conduzindo essa situação da BR-364. O medo que temos nesse momento é que ela seja literalmente fechada. Me lembro que em 2011 o governador abriu definitivamente a BR, isso trouxe para Cruzeiro do Sul um verdadeiro momento de prosperidade, com novas empresas se instalando, os preços dos alimentos reduzidos, as oportunidades de trabalho surgindo numa cidade que antes era dominada por meia dúzia de empresários que monopolizavam tudo. Esse foi o momento em que a cidade deu um verdadeiro grito de Liberdade. Me lembro que nesse período fazíamos viagem de Rio Branco para Cruzeiro em até sete horas de carro. O governador terminou o trabalho, entregou a manutenção para o DNIT em 2014, e de lá até aqui, pouco foi feito, embora sabemos dos esforços do atual superintendente Thiago. Em nenhum momento o governador Tião Viana deixou de cobrar providencia do governo federal, a prova disso é que no ano de 2015 conseguimos 78 milhões para manutenção, e em 2016 o governo conseguiu com a Presidenta Dilma o empenho de 230 milhões para esse processo de manutenção. Aconteceu que quando o governo Temer assumiu esse dinheiro sumiu. Não sabemos o que foi feito dele, estamos fazendo nosso trabalho de cobrar. Inclusive porque o Ministro do Transporte veio até Cruzeiro do Sul, junto com o senador Gladson e alguns colegas parlamentares e anunciaram que a partir daquele momento todos os problemas da BR-364 estavam resolvidos ainda no ano de 2016. O que estamos vendo? Que se não fosse uma ação da bancada para tirar um recurso do anel viário de Brasiléia de 20 milhões para fazer uma manutenção emergencial, teríamos certamente uma BR fechada. Então temos vendo uma ação totalmente irresponsável do presidente Michel Temer, muito proselitismo político em torno dessa BR. Minha cobrança é ao Presidente Michel Temer, ONDE ESTÃO OS 230 MILHÕES QUE A PRESIDENTE DILMA EMPENHOU E ATÉ AGORA NÃO FORAM EMPREGADOS NA BR-364?

Da redação, Juruá em Tempo, Cruzeiro do Sul