Comissão de Leo de Brito vai investigar paralisação de obras da ponte do Madeira

Presidida pelo deputado federal Leo de Brito (PT-AC), a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC), da Câmara Federal, aprovou nesta terça-feira, 17, a realização de uma visita técnica à região do rio Abunã, em Rondônia, para fiscalizar o andamento das obras de construção da ponte da BR-364 sobre o rio Madeira, que estariam paralisadas, segundo denúncia encaminhada à comissão.

Aprovada por requerimento de autoria do próprio deputado do PT acreano, a visita técnica deve ocorrer no início de junho, quando os deputados da subcomissão permanente de acompanhamento e fiscalização dos programas federais vão querer saber quais os motivos da paralisação das obras da ponte, considerada de extrema importância para a interligação rodoviária do Brasil com a Rodovia do Pacífico, que passa pelo Acre.

As obras da ponte da BR-364 sobre o rio Madeira foram iniciadas em outubro de 2014 após a assinatura da ordem de serviço pela presidenta Dilma Rousseff. Com valor estimado em R$ 172 milhões, a ponte do rio Madeira localiza-se no Distrito de Vista Alegre, na região do Abunã, com extensão de 3,8 mil metros, sendo 1.084 constituídos de vão central sobre um dos maiores rios da Amazônia.

Ainda na reunião de ontem, presidida pelo deputado Leo de Brito, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara também aprovou a criação da subcomissão que vai acompanhar e fiscalizar os serviços de telefonia fixa, móvel, banda larga e de outros no país.

Outra subcomissão especial foi criada pela CFFC para fiscalizar e acompanhar a execução das ações estratégicas e os investimentos destinados à promoção, à proteção e à recuperação da saúde dos povos indígenas e tradicionais do Brasil.

A comissão presidida por Leo de Brito também aprovou a formulação do convite ao novo ministro da Educação, Mendonça Filho, para prestar esclarecimentos sobre a extinção do Ministério da Cultura que foi agregado à pasta da Educação, sobre o processo fiscalizatório dos programas em andamento no setor e sobre o futuro dos programas existentes, como Prouni, Fies e outros.

Também foi aprovado o convite para o novo ministro da Saúde, Ricardo Barros, prestar esclarecimentos sobre o programa Mais Médicos e a Relação com a Organização Pan-americana de Saúde, bem como o processo fiscalizatório dos programas em andamento na pasta, especialmente o SUS, o Saúde da Família e a Farmácia Popular.

 

Romerito Aquino