Celeridade do TRF4 revela o desespero do judiciário em tirar Lula do páreo

O deputado Leo de Brito (PT-AC) usou a tribuna, nesta segunda-feira (18), em nome da Liderança do Partido dos Trabalhadores na Câmara, para denunciar a pressa do judiciário brasileiro em julgar o processo que envolve o ex-presidente Lula, na Operação Lava Jato comandada pelo juiz de Curitiba Sérgio Moro. Em tempo recorde, precisamente 42 dias, o TRF4 marcou o julgamento de Lula para o dia 24 de janeiro em Porto Alegre (RS).

Para o petista, a celeridade em julgamentos judiciais é prática pouco corriqueira no sistema judiciário do País e mostra a perseguição implacável do sistema contra o presidente Lula. “O processo foi analisado pelo relator em pouco mais de 40 dias, e pelo revisor em 6 dias úteis. Quem quiser fazer um curso de leitura dinâmica descobrirá que nós estamos falando de 2 mil páginas lidas a cada hora! É um absurdo! Mais uma vez, está na cara que querem tirar o ex-presidente Lula do páreo”, ironizou o parlamentar acreano.

O deputado disse ainda que o tempo usado pelo relator do processo, João Pedro Gebran Neto (36 dias) e pelo revisor do caso, o desembargador Leandro Paulsen (seis dias) para apressar o julgamento do ex-presidente desnuda o partidarismo em que se transformaram os tribunais do País. “Não podemos deixar que um tribunal de exceção retire a possibilidade de Lula ser candidato à Presidência, como o povo quer”, afirmou Leo de Brito.

Disse ainda o deputado, que o PT, os partidos de esquerda e os movimentos sociais estarão em permanente estado de mobilização para barrar mais essa tentativa de golpear a democracia. “Nós vamos continuar mobilizados. Não vamos aceitar golpe. Eleição sem Lula é fraude! A população brasileira não vai aceitar esse escárnio que está sendo feito contra o povo brasileiro e o direito de votar com soberania”, observou.

Vamos inscrever a candidatura do Presidente Lula no ano que vem. A cara do Lula, o rosto do Lula vai estar estampado na urna eletrônica, porque nós vamos até as últimas consequências”, anunciou Leo de Brito.